terça-feira, 20 de julho de 2010

Tio Horus,PHD em tudo responde....(Webert Marins)

Galera o Tio Horus é um carinha que responde praticamente tudo q queremos saber. ai vai umas coisinhas sobre alcool.


Algumas vezes precisamos sair do cotidiano, descer do salto ou tirar o terno e apenas se deixar levar. Seja em uma festa, numa comemoração ou numa simples reunião com os amigos, beber umas e outras é um prazer que bastante gente aprecia. O problema é que ninguém ainda inventou uma forma eficiente de acabar com os desconfortos e problemas devastadores que a ingestão do alcool provoca mas isso não impede das pessoas criarem diversas formas criativas e histórias mirabolantes sobre como evitar os efeitos da bebedeira. Hoje vamos desvendar alguns mitos e verdades e tirar algumas dúvidas sobre o alcool para aqueles que não dispensam um copinho de vez enquando.

QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS DO ÁLCOOL NO CORPO?

O efeito mais perceptível do alcool é como diurético, fazendo com que a pessoa perca muita água, podendo, por isso, levar a uma desidratação. Ele também ferra com seu aparelho digestivo, irritando a parede do estômago e instestinos, principalmente se o estômago estiver vazio. O excesso da substância também afeta o pâncreas, podendo levar a uma inflamação no orgão e interfere na vesícula biliar. É por isso que quem bebe demais sente aquela velha vontade de vomitar (naúseas), mal-estar e dor na região do estômago.

O alcool também afeta a qualidade do sono. Apesar do efeito sedativo, que faz a galera mais animada a dormir em qualquer sargeta, há uma diminuição da fase de sono profundo. É por isso, que mesmo depois de um longo sono alcoolizado, ninguém acorda bem disposto no dia seguinte.

CAFÉ E BEDIBAS A BASE DE COLA CORTAM O EFEITO DO ALCOOL?

Nenhuma substância, contendo cafeína ou não, consegue interromper o processo de absorção do alcool. Então se você tomou umas e outras, não adianta ir tomar café nem beber coca-cola, você vai ficar bêbado do mesmo jeito.

CHUPAR BALAS OU TOMAR MEL CORTA O EFEITO DO ÁLCOOL?

Não. Quando ocorre intoxicação por álcool (embriaguez), o fígado modifica seu metabolismo tentando controlar a situação da melhor maneira possível. Um dos efeitos colaterais disto é a diminuição da glicose no sangue, o que acarreta alguns dos sintomas observados nas pessoas bêbadas. O motivo de se dar glicose pra alguém nestas condições é tentar elevar as doses da mesma nos pacientes e minimizar os danos. Portanto dar glicose, doce ou mel não corta o efeito do álcool, apenas suaviza a conseqüência.

INGERIR BASTANTE ÁGUA EVITA QUE A PESSOA FIQUE BÊBADA?

MITO! De fato, a água retarda o efeito do álcool no corpo, diluindo-o. No dia seguinte, durante aquela puta ressaca, a água também ajuda na re-hidratação do organismo. Trocando em miúdos, a água não evita o porre, mas é capaz de retardá-lo, pelo menos durante um tempo.

BEBER COM O ESTÔMAGO CHEIO AJUDA A RETARDAR OS EFEITOS DO ÁLCOOL?

Concerteza!! A comida além de diminuir a velocidade de absorção do alcool, ainda fornece ao organismo um bom suprimento de glicose. Como o álcool costuma comprometer o funcionamento do fígado e, conseqüentemente, a metabolização da glicose, é comum os bêbados, especialmente os jovens, apresentarem crises de hipoglicemia – baixas taxas de açúcar no sangue, quando intoxicados pelo álcool. Portanto, estômago cheio adia um pouco os efeitos da bebedeira mas não o evita.

INDUZIR O VÔMITO FAZ UM BÊBADO VOLTAR AO ESTADO NORMAL MAIS RAPIDAMENTE?

Não se iluda.. Quando alguém está em estado de embriagués, quer dizer que o organismo já começou a metabolizar o álcool e ele já caiu na corrente sanguínea. Portanto, induzir o vômito só fará com que a pessoa não entre em um porre maior ainda, expelindo a bebida que ainda se encontra no estômago mas não fará com que ela elimine o álcool que já circula pelo seu sangue.

MISTURAR BEBIDAS FAZ A PESSOA FICAR BÊBADA MAIS RAPIDAMENTE?


Essa é uma afirmação muito comum nas baladas. A verdade é que misturar as bebidas em sí não faz ninguém ficar mais ou menos bêbado rapidamente. O que rola é que a maioria começa as bebedeiras normalmente com uma tímida cervejinha na mão, tomando o equivalente a um copo a cada 15min. Depois que a noite começa a esquentar, os bebedores resolvem passar para um caipirinha ou um uísque, que obviamente é mais concentrado e continuam no mesmo rítmo, tomando um copo a cada 15min. Duas coisas acontecem, então, ao mesmo tempo:
Dilatado pela bebida fermentada, o estômago apresenta uma área maior de absorção e, portanto, o álcool pode cair mais rapidamente na corrente sanguínea. Ao mesmo tempo, depois de alguns copos, a pessoa começa a perder sua noção de limite e controle e ingere o destilado na mesma velocidade com que vinha tomando o fermentado. Como os teores de álcool dos destilados são maiores, a embriaguez acaba se instalando rapidamente. Sacou?!

O ÁLCOOL CORTA O EFEITO DE ANTIBIÓTICOS?

Essa é uma questão bem complexa e grande, e requer um bom entendimento de bioquímica mas deixa eu tentar resumir o básico.
O álcool estimula diretamente as membranas do aparelho digestivo, promovendo maior produção de ácido clorídrico no estômago (daí vem a famosa gastrite da galera que bebe demais) e também o aumento dos movimentos do intestino e do estômago, podendo provocar diarréia e vômitos (também ocorre com o pessoal que costuma tomar "aquele pilequinho"). Estes dois efeitos promovem uma passagem mais rápida e uma menor absorção do medicamento pelo estômago e pelo intestino (especialmente o duodeno, onde a maioria dos fármacos é normalmente absorvida). Assim, a ação do álcool não ocorreria diretamente sobre a substância antibiótica, mas sim na sua absorção. Com uma absorção menor, o medicamento estaria em menor concentração na corrente circulatória, diminuindo sua ação. Uma vez que existe menor concentração de antibiótico, seu efeito será reduzido - justamente o que os médicos afirmam, "que o álcool tira o efeito". Entretanto, esses mecanismos de interação, embora sejam coerentes, não são os principais responsáveis pela recomendação de não ingerir bebidas alcoólicas juntamente com antibióticos.

Sabendo também que as vias de metabolização do álcool ocorrem no fígado, outro risco de beber e tomar medicamentos é que o etanol (álcool) pode promover um dano maior que o normal ao fígado quando o antibiótico já possui por si só uma atividade tóxica para este órgão. Existem também alguns medicamentes que reagem negativamente com os produtos da metabolização do álcool e talz..

Enfim, nem todos os antibióticos interagem diretamente com as bebidas alcoolicas mas já imaginou a confusão que seria explicar para um paciente que não entende nada de química por que ele não pode tomar tal antibiótico com álcool e tal antibiótico ele pode? A tendência do paciente será sempre a de generalizar, e é claro, generalizar para o que é favorável a ele, ou seja, "ah, se tomando a minha "cervejinha" com X eu não sinto nada, vou tomar com Y também!" Por isso os médicos preferem generalizar também, não dando chance à imaginação da nossa população.

HOMENS SÃO MAIS FORTES PRA BEBER QUE AS MULHERES?
Grosseiramente falando, sim. Os homens têm, já no estômago a enzima envolvida diretamente no processo de metablização do álcool. Já as mulheres também possuem essa enzima mas só no fígado. Ou seja, quando a bebida cai no estômago, quase 20% do álcool é absorvida diretamente por esse orgão e cai na corrente sanguínea sem sofrer qualquer tipo de metabolização.


PESSOAS GORDAR DEMORAM MAIS A SE EMBRIAGAR QUE AS MAGRAS?

Sim. Os magrinhos como eu, possuem menos sangue no corpo, portanto sentem primeiro os efeitos da bebida.

BANHO DE ÁGUA FRIA AJUDA A REDUZIR A EMBRIAGUEZ?

Não.. O bêbado contunuará bêbado, a diferença é que será um bêbado acordado e não um bêbado sonolento.

CÚ DE BÊBADO NÃO TEM DONO?

Eu não sei o dos outros mas o meu sempre teve dono, e foi muito bem guardado independente de meu grau alcoolico, e o de vocês???? =P

Nenhum comentário:

Postar um comentário